Busca

De noite, sorridente. Pela manhã, mal-humorada. Eu vivo em Brasília, mas juro que não sei de nada. Sou publicitária, feminista, carioca das Laranjeiras. Seja bem-vindo e muito prazer. Me chamo Camila Bandeira.

Categoria

Te dedico

Ei, você aí… É carnaval!

Quando sua melhor amiga te desafia a usar palavras bizarras em um texto e você resolve misturar o desafio ao tema preferido dela… Dá nisso.

Ô abre alas que o carnaval quer passar. As águas vão rolar mas tem suor à beça por aqui para lavar… A alma. Entrega ela também. Entrega tudo, se entrega, vira cacareco, até ter um piripaque e dormir. Mas só até amanhã. Fala sério, a festa do capiroto é sagrada pra quem é de sorrir, minha irmã.

“Que petulância! Fala assim do meu carnaval que te mando pro beleléu.”

E eu aposto meu chapéu que por lá também tem bloquinho. Ou você acha que por lá comem queijo e bebem vinho? Não tem essa não. A cada fevereiro, o Brasil todo cabe dentro do cordão. E aqui a bebida é 3 por 15 mesmo, se você pedir o latão. Só cuidado com revertério, porque o Céu na Terra sai cedo no sabadão. E quem se atrasa é mequetrefe, não sabe ser folião.

Esse mês tem muito mais pelo Rio do que só o mate e o limão. O que adoça o dia é o melzinho. Compra pra mim o metrão? Carnaval é suor, é amor, é cambalacho. Mas sai do meu lado, macho, que eu não te chamei aqui não. Vou te mandar pra conchinchina se começar a insistir. Alguém sabe onde tem banheiro? Rápido, preciso fazer xixi. E a PM tá na rua querendo encher o camburão. Faz parte também, né. A cidade não pode pagar pelos modos do cidadão.

Chega! Já tô no brilho, na alma e na pele. E como Aurora, vou ser sincera. Então me espera, por favor, que cinza nenhuma vai estragar minha quarta cheia de cor. Ressaca de Carnaval não existe, amor. Por aqui, sobra uma saudadezinha no além. E a missão de um banho daqueles para começar o ano bem. Em mim, ficam só as lembranças. Ah! E purpurina de sobra, né, até o ano que vem.

Encontrei um gênio na rua

Encontrei um gênio na rua e ele me disse umas coisas. “Faça um mundo à moda sua. Tire, ponha e escolha.”

Tu, vós, eu, ele, eles, nós. Se eu pudesse dar algo a alguém, certamente eu daria voz. Para gritar por necessidade e inverter o papel da saudade.

“O presente é o melhor que nós temos, mas tememos pelo que vem. Mais um passo à beira do abismo e podemos conhecer além.”

Eles, vós, tu, nós, ele, eu. Se eu pudesse tirar algo do mundo, tiraria o mundo do breu. Ascenderia um novo formato, daria luz sem precisar fazer gato.

“Dois já foram, falta um, para fazer o seu mundo ideal. Não pense a terceira vez, escolha o que há de mais genial.”

Eu, tu, ele, nós, vós, elas. Se fosse pra ter só um tipo de gente, encheria o mundo de Rafaelas.

A3

Inspirado em Ana Luiza Noronha e Tatiana Lara, tesouros que Brasília me deu de presente.

Tem gente que passa e nem late. Tem uns que nem que eu me mate. Tem gente que prefere o resgate. Mas tem gente que o santo bate… E aí rebate, acerta, é completo até que o amor vire empate. Três a três onde todos saem ganhando. Esse final é o meu predileto. E não tem quem me prove o contrário. Eu tô cagando pro seu veto. Quando o assunto é estar com os bons, eu quero que seja por perto. Mas pode ganhar o mundo também. O amor é leve, solto, amplo, liberto… E nessa soma tão boa de fazer, o que importa é estar certo de que o sorriso de quem faz bem vale mais que um caminho já aberto. E que 1 mais 1 mais 1 é = a outro novo, só que completo.

Mistura

Para Karine Aragão, um amor de longa data.

Pense em alguém tradicional. Ela é estudiosa, ginasta, responsável e maternal. Ama crianças, vai à praia, é preferência nacional. Sorridente, empolgante, cheia de disposição. E quando precisamos de alguém racional, ela soma o quarto coração. Convenhamos… Quem precisa da razão? Do outro lado da moeda, ela é o que ninguém consegue ser. Determinada, diferente e radical. Enxerga aquela luz no final que ninguém mais vê. Ela é atleta, eclética, dorminhoca, do tipo que qualquer um queria ser. Ela é completa. E completa a gente também. Afinal, somos um trevo, só que de quatro folhas. E eu já sei da onde a minha sorte vem.

Um dia 13 de junho

Um dia vou descobrir que você era ainda mais. Vou descobrir que a gente viveu outras vidas juntos, e fomos irmãos em todas elas. Vou descobrir que você guardou espetos pra me proteger, me deu sua armadura séculos depois, me tirou do tronco na outra vida e só aí me salvou do tombo de bicicleta. Vou descobrir que antes de você me ensinar a jogar tênis, me ensinou a montar um cavalo, e me ensinou a atirar quando mulheres nem faziam isso. Vou descobrir que já dividimos mais do que contas de bar. Dividimos celas, sandálias arrebentadas e oxigênio pra fugir da guerra. Vou descobrir que você deu a vida por mim uma das vezes e que só pude retribuir algumas gerações depois. Um dia vou descobrir que a gente vai ser mais! Vou descobrir que você ainda vai me ensinar a dirigir carros voadores, a curar machucados em segundos e a cozinhar sem fogo. Vou descobrir que a gente ainda vai dividir os últimos goles de água do planeta, que a gente ainda vai mudar de planeta, vai ter um planeta só nosso… Ainda vou descobrir tudo isso e lembrar que essa vida foi só um susto pra quem tem mil outras pra viver junto. Hoje é o melhor dia do ano. Feliz 13 de junho! 🎈

Tudo isso e muito mais

Feliz Dia das Mães!

Ela vai ser a melhor mãe do mundo. Ela só não sabe disso. Ela vai aproveitar a fundo, vai apostar corrida até o portão do parquinho. Ela vai tirar selfies lindas com bigode de leite ninho. Vai apertar as bochechas dele ainda bebê. Ela vai jogar ele pra cima e assoprar a barriga, mesmo sem ele querer. E ela vai roubar a papinha também, porque ninguém é de ferro, principalmente quem é mãe de neném. E ela vai ser a melhor mãe do mundo. Ela só não sabe disso ainda. Mas ela vai brigar com ele quando jogar lixo no chão. Ela vai brigar com ele quando sobrar macarrão no prato. Ela vai brigar com ele para que ele diga “por favor” e “obrigado”. Ela vai insistir até ele aprender a amarrar o sapato. E quando ela achar que já perdeu a paciência tentando ensinar tudo isso, ele já vai estar fazendo direitinho, cumprindo cada compromisso. Nossa! Ela vai ser a melhor mãe do mundo. Ela só não sabe disso ainda. Ela vai morrer de orgulho quando ele olhar para os dois lados antes de atravessar. Ela vai rir quando ele cair tentando andar. E ela vai chorar, ah se vai, quando ele soltar a mão no primeiro dia da vida escolar. Mais ainda quando disser: “Mãe, passei no vestibular”. Sabe… Ela vai ser a melhor mãe do mundo, de verdade. Só tá faltando ele chegar, e transformar ela nisso tudo, num poço de felicidade.

Toda toda

Texto inspirado em Giovana Graça sobre um amor que nasceu em 1995.

Ela faz, acontece, trama
É cheia de si
Dança, pula na cama
Não tem tempo pra mimimi
Ela canta, encanta, ama
Balança, mexe e ri
Ritmo, som, arte, fama
Dó, Ré, Mi…
Agradeço, sem drama
Chegamos até aqui!
20 anos de amizade
E continua a mesma Gi

Mulheres da minha vida

As mulheres da minha vida me inspiram a ser mais, a ser melhor, mas, acima de tudo, a querer ser cada vez mais mulher. Porque as mulheres da minha vida acordam borradas de maquiagem quando esquecem de tirar. Elas abrem pote de azeitona, trocam lâmpadas e sorriem primeiro. As mulheres da minha vida choram, se desesperam, imploram e suplicam. E também fazem mimimi. As mulheres da minha vida bebem cerveja, fazem sexo quando querem e dirigem sem sapato… São verdadeiras heroínas ao avesso. Algumas são mães, outras são professoras, outras são viciadas em cinema. Me apaixono pelas mulheres da minha vida quase diariamente, pelo simples fato de serem mulheres de verdade.

Eu era melhor com você

Eu era melhor com você, todo mundo sabe disso. Eu queria sair toda sexta e insistia pra você ir também. Eu odiava quando você não ia. Eu jogava tênis e você sacava com a mão esquerda só pro jogo ter graça. Nas noites de verão, a gente ia pra piscina depois do jantar e voltava pra casa descalço porque a havaiana grudava no pé. Eu era melhor com você, eu sabia o que era diversão. Voltava bêbada e você sempre estava acordado. Você ligava o ar condicionado pra deixar tudo fresquinho. E eu queria saber quais eram os torneios da noite. Quando eles viajavam, a gente combinava de ficar em casa, só pra receber a galera e acabar com a comida. Quando a gente viajava, queríamos acabar era com a bebida. Eu era melhor com você. Eu tinha o maior orgulho de andar contigo na rua. Eu falava que odiava só pra você se achar. Mas achava o máximo andar com o cara que todo mundo adorava. Achava melhor ainda quando você me apresentava sem nem dizer meu nome, só falava: “é minha irmã”, assim, bem insignificante. Mas eu não ligava, não. Eu era melhor com você e talvez eu nunca seja assim de novo. Agora eu me preocupo pra não beber demais, se o sapato vai doer o pé e se vai fazer frio mais tarde. Eu planejo as viagens sem guardar o dinheiro da cerveja. Eu não tenho mais mandinga pra quando tem jogo do Flu. Não consigo mais ser inconsequente, nem trollar pessoas na rua, nem gritar quando um carro passa perto. Eu não tenho mais quem me dê esporro pra não ser assim, então eu mesma tenho que ser. Eu era melhor com você. E o que me conforta nisso tudo é saber que, mesmo assim, o que importa é que você está melhor agora.

Site no WordPress.com.

Acima ↑